Soy tuya

Está difícil tirar do peito

As palavras estão travadas

Ou talvez soltas demais para caírem no papel com algum sentido

Está difícil apartar

É uma colossal batalha

Roda gigante de lembranças

Seu riso, seu mau humor, sua falta de paciência

Levou um pedaço do meu peito

Eu que nunca achei que poderia dividi lo

Nesse texto brega, de ridículas palavras

Estas nunca ditas

Eu tento de alguma forma guardar esse amor no seu devido espaço na estante

Um amor platônico

Com gostinho de auto piedade

Não há a opção da espera

Existe a saudade

Existe a lembrança

E dele o muito aprendizado

Dele, a beleza dos olhos, dos miados,

Dele, a doçura daquele que aprendeu a ouvir

Dele, minha lembrança mais delicada

A minha certeza de que valeu a pena

Sobrou em mim um vácuo existencial

Ficou pra mim aquela velha e nem tão boa companhia

Solidão

Não verei Havana contigo

Nem dançaremos a Revolução bêbados de gim e defumados nos charutos de Fidel

Não será eu a sua companheira de guerrilha

Mas no meu mais absurdo devaneio

Já lhe dei causa ganha

Soy tu bién.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas